03 de Dezembro de 2019
Residência Artística histórica no Pop Center
Residência Artística histórica no Pop Center

O Pop Center lançou nesta sexta-feira, 29 de novembro, a terceira edição da Residência Artística. A exposição é aberta ao público e com entrada franca.  A mostra, intitulada Ex-Passado, ocorrerá até o dia 31 de dezembro e contará com a presença do renomado curador francês Franck James Marlot e a artista multimídia e fotógrafa gaúcha reconhecida internacionalmente Rochelle Costi. 

Neste ano, a temática abordada são as de memórias das escavações do empreendimento. Para isso, a artista Rochelle Costi apresenta 18 reproduções agigantadas a partir das peças arqueológicas encontradas na escavação para a construção do edifício do Pop Center, na Praça Rui Barbosa, em 2007. “O objeto, ou o seu fragmento, é superdimensionado e reproduzido em duas dimensões, frente e verso, como se observássemos com um microscópio para encontrar a sua natureza, para descobrir seu segredo”, afirma o francês Franck Marlot que faz a curadoria das obras.

Segundo a diretora institucional, Elaine Deboni, essa é uma oportunidade única de trazer para perto da sociedade os antepassados que ali viviam. “Queremos prestar um serviço para a comunidade resgatando a história desta região de Porto Alegre. Por isso, trouxemos a artista que mostra um trabalho inédito através das peças históricas encontradas nas escavações da construção do Pop durante a residência artística”, afirma.

Segundo descreve Franck Marlot as imagens foram suspensas para não passar despercebido da análise das pessoas que ali passam. “As obras estão suspensas no espaço à altura dos olhos segundo um layout preciso que relembra o esquema das escavações arqueológicas”, disse.

Para Rochelle Costi é extremamente importante essa aproximação do público com a história de Porto Alegre e de trazer esse trabalho para o local onde acontecia o descarte destes artefatos no século 19. “A ideia dessa Residência é fazer uma relação entre as mercadorias comercializadas ali hoje e aquelas que eram descartadas neste local, já que este ponto era autorizado para o descarte de ciscos e imundícies na orla do Guaíba”, completa.

“Nosso passado vaga de uma imagem a outra pensando em seu proprietário e na relação de cobiça entre ele e seu objeto de desejo, reconstituindo mentalmente essa boneca da exposição a partir desse novo corpo de porcelana. A carga emocional desses objetos é ainda maior quando ousamos traçar o paralelo entre o passado das trocas mercantis pelos oceanos e o aqui e agora no Pop Center, com sua atividade de lojistas que se concentra em mercadorias do cotidiano importadas na sua grande maioria da Ásia, especialmente da China”, afirma Franck.

“Navegando entre passado e presente, entre EX e PASSADO, Rochelle Costi nos conta inventários ordinários que nos convidam a prospectar o objeto de nossas vidas”, conclui Marlot.

Os artistas

Rochelle é uma artista multimídia premiada pelo CNI SESI SENAI Marcantônio Vilaça e também condecorada internacionalmente na Residência Artística da WBK Vrije Academie em Gemak, na Holanda. Além do Prêmio Nacional de Fotografia pela Funarte do Rio de Janeiro e o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia.

O francês Franck James Marlot é acostumado na curadoria de diferentes exposições, já que trabalhou durante 20 anos na Galerie Denise René, de Paris. No local, desenvolveu um laço estreito com os artistas da América do Sul, em especial os do Brasil, além de levar mostras para museus japoneses e coreanos. O curador vem ao Pop Center revestido pelo seu compromisso com o intercâmbio comercial de arte entre França e Brasil, ajudando a divulgar não só artistas europeus, mas também valorizando os artistas brasileiros.

Camejo Soluções em Comunicação | 03 de Dezembro de 2019