10 de Outubro de 2017
A arte de inspirar pra vida: professores hoje são colegas de ex-alunos
A arte de inspirar pra vida: professores hoje são colegas de ex-alunos

Educadores, que hoje são colegas de ex-alunos, comemoram a emoção do reencontro na sala dos professores

Mais do que aguçar nas crianças e jovens o desejo pelo saber, atuando como mediadores do conhecimento, os professores têm o importante papel de inspirar para a vida. Desde pequenos, os estudantes, em sua maioria, vêem os professores como exemplo e, exatamente por esse motivo, o papel do educador vai muito além da já importante tarefa de construir conceitos e estimular nos estudantes o aprendizado.

E quando, em um encontro nada previsto, o mestre e o discípulo se encontram no mesmo lado? Há 10 anos, Karen Ribeiro se tornou professora de Língua Inglesa e há dois começou a lecionar no Colégio Santa Inês, onde estudou de 1994 a 2002. Para a pedagoga, que trabalha com crianças dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, até hoje é difícil desconstruir a imagem de quem a acolheu com tanto carinho quando estava no 2º Ano do Ensino Fundamental, no alto dos seus 8 anos. “Lembro da Vivi grávida dando aula. Eu chegava em casa e brincava de professora e, para parecer com ela, colocava uma almofada embaixo da camiseta”, brinca Karen ao se referir à atual Orientadora Pedagógica do Santa Inês, Viviane Nectoux.

Há 26 anos, Viviane faz parte do corpo docente do Colégio e, ainda hoje, fala com emoção ao relembrar dos tantos estudantes que teve em seu convívio e dos que, a exemplo de Karen, hoje dividem com ela a tarefa encantadora de ensinar e aprender, nessa permanente troca. “Ver profissionais como a Karen só confirma a importância de cada minuto que dedicamos para a educação dos nossos estudantes”, observa Viviane.

A professora de Língua Portuguesa e mestre na arte de encantar os estudantes, Nara Odi, leciona há 32 anos e há 16 anos faz parte da comunidade do Santa Inês, lembra com carinho de um menino na 6ª série do Ensino Fundamental. “Esperto, curioso e questionador. Acompanhei-o, também, no Ensino Médio. Conversávamos, trocávamos ideias, mas nunca havíamos ventilado a possibilidade de um dia sermos colegas de trabalho. Hoje, inclusive, dividimos turmas. Ele, professor de Matemática, e eu de Língua Portuguesa. Muito orgulho. Uma grande parceria e cumplicidade criada ao longo do tempo de convivência”, destaca a educadora.

Nara se refere ao jovem professor Bruno Baraldo que, no alto dos seus 29 anos, lembra da sua trajetória escolar e brinca: “Eu era um aluno insuportável”. Baraldo, que há dois anos faz parte da equipe do Santa Inês, destaca a importância do papel dos educadores que contribuíram e ainda contribuem para a sua constante formação. “As figuras dos professores sempre foram marcantes para mim”, diz. Responsável pela disciplina de Matemática, o professor ressalta que, no início, foi difícil se adaptar, mas hoje já se sente à vontade. “Hoje já tenho colegas que também foram meus alunos”, lembra.

Professora do Santa Inês há 29 anos, Rosiméri Santos, também foi professora do Bruno e de outros tantos colegas, que fazem parte da equipe escolar. “O que me dá vontade de continuar é ver esses jovens se superando e alçando grandes vôos, cada vez mais cedo. É a esperança de um futuro melhor”, conclui.

Camejo Soluções em Comunicação | 10 de Outubro de 2017